Militantes do PSDB pedem renúncia do presidente do partido no Twitter

MÔNICA BERGAMO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Militantes do PSDB foram às redes sociais nesta sexta-feira (15) para pedir a renúncia do presidente do partido, Bruno Araújo. Os internautas compartilharam publicações e comentários com a hashtag #renunciabrunoarujo no Twitter. ​

A movimentação ocorre após o pré-candidato à Presidência pelo PSDB, João Doria, retirar Araújo do comando de sua pré-campanha -ele será substituído pelo presidente da legenda em São Paulo, Marco Vinholi.

Nas redes sociais, Araújo ironizou a decisão e afirmou que nunca quis exercer o cargo. “Ufa! Comando que nunca fiz questão de exercer. Aliás, ele sabe as circunstâncias em que e o por que ‘aceitei’ à época. Aliás, objetivo cumprido!”, escreveu.

A equipe do ex-governador afirmou que Araújo “relativizou a candidatura de Doria” em declarações recentes e, “essa postura, considerada pouco agregadora, motivou a decisão”.

Nas redes sociais, Araújo foi comparado a Judas. Frases como “se joga no colo do Aécio [Neves]” também foram compartilhadas em seu perfil.
No começo desta semana, Araújo afirmou em um encontro com empresários do grupo Esfera Brasil que a aliança com outros partidos “é maior” do que as prévias da legenda, vencidas por João Doria.

Assim, a candidatura presidencial do agora ex-governador de São Paulo dependeria do pacto com Cidadania, União Brasil e MDB. As siglas fizeram um acordo para definir um candidato único da chamada terceira via à Presidência da República -o indicado será anunciado até 18 de maio.

“O PSDB agora está em um consórcio maior para uma terceira via. Não vejo apoio do PSDB para seguir com uma candidatura que não seja dentro [desse pacto]”, disse Araújo durante o encontro.

O PSDB está rachado desde a derrota de Eduardo Leite, ex-governador do Rio Grande do Sul, nas prévias do partido no fim do ano passado. Apoiado por um grupo liderado pelo deputado Aécio Neves, ele é o pré-candidato correndo por fora, enquanto Doria é o oficial.

No começo deste mês, o ex-governador de São Paulo ameaçou não renunciar ao cargo para forçar um movimento de apoio do PSDB à sua candidatura.

Diante da ameaça de recuo de Doria, que implodiria a candidatura estadual do seu então vice e agora governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), Araújo emitiu uma carta reafirmando que o tucano foi o escolhido nas prévias e, portanto, é o único presidenciável do partido.